PERFUMANDO O CORPO

Texto Base: Mateus 26.6,13

Na semana da crucificação de Jesus, na casa de um certo Simão, o leproso, uma mulher quebra um vaso com um perfume muito valioso e unge o corpo de Jesus. Ali estava a maior expressão de entrega de uma pessoa. Foi um ato tão inusitado que gerou manifestações de todos que estavam naquele lugar. Como as pessoas se incomodam com aqueles que são extravagantes para Deus!

Qual a iniciativa das pessoas diante do ato da entrega:

1 – A iniciativa de Maria:

A primeira pessoa que ficou espantada consigo mesma foi a própria autora do ato. Ela derramou perfume muito valioso sobre a cabeça e os pés de Jesus, Ela não se contentou em que o frasco tivesse um gargalo pequeno. Ela queria derramar logo tudo de uma vez. Muitos de nós queremos agradar a Jesus “a conta-gotas”, dando um pouco do que temos. Por que não damos logo em grandes quantidades?

2 – A reação dos presentes:

Poderíamos esperar o espanto de quaisquer pessoas menos dos discípulos que tiveram reação semelhante à de Judas Iscariotes, que influenciou os outros discípulos e alguns outros presentes. O argumento da indignação era bem atraente: podiam dar aos pobres. Como é fácil ser iludido por pessoas que falam em causas bonitas, mas com propósitos bem diferentes no coração! Nunca confunda ser crente com ser ingênuo.

3 – A reação de Jesus:

Ao contrário de Judas, a reação de Jesus foi reprovar a indignação deles: Deixai-a; por que a molestais? Agora imagine você na situação de Maria: Nunca se esqueça que seu ato de entrega irá levantar olhares de reprovação. Como deve ter servido de alívio para Maria a repreensão de Jesus aos presentes. Pelo menos ela viu que o Mestre compreendeu e gostou do seu gesto. Se você está fazendo o bem, não se preocupe com críticas: Jesus está do seu lado.

Qual foi o ato de Jesus após repreender os discípulos e presentes naquele lugar:

1 – Elogia mulher de forma pública:

Jesus gostava de elogiar em público. Ele sabia o efeito positivo que isso provoca. Já notou como é fácil criticar e difícil elogiar? Experimente. Um elogio certo, na hora certa tem grande valor.

2 – Explica porque Maria estava certa e contra argumenta sobre os pobres:

Claro que era uma boa ideia ajudar os pobres, mas naquelas circunstancias especiais, havia uma causa melhor: praticar uma boa ação para com Jesus, já que a sua permanência na terra era provisória e os pobres sempre estariam por aqui. Mesmo quando uma causa parece bonita em princípio, pode haver circunstâncias em que não é a melhor opção. Aquele foi um exemplo. Como saber determinar esse tipo de circunstância? Pedindo sabedoria a Deus.

3 – Jesus recompensou Maria:

Haveria honra maior do que ser lembrada onde o Evangelho fosse pregado. Maria ficou como exemplo do crente que é recompensado pelo bem praticado. Deus é um Deus galardoador e se alegra em recompensar. Já devemos ter sido bem mais recompensados aqui na terra do que pensamos. Às vezes nem percebemos, pois, Deus nos galardoa de maneira discreta e disfarçada. Mas recompensas realmente maravilhosas virão quando nos encontrarmos com Cristo (Mateus 10.32).